outras
letras

O.D., RAINHA DO ROCK & CRAWL

   

BÓFIA
[Adolfo Luxúria Canibal / Miguel Pedro - Zé dos Eclipses]


O bófia empurrava-me e dizia para desandar. Eu não podia compreender porquê. Quis-lhe perguntar. O bófia sacou do casse-tête e deu-me com ele uma, duas, três vezes nos costados. Senti um choque eléctrico percorrer-me o corpo. E uma humilhação que não podia ficar impune. Não percebia por que é que ele me batia. Quis-lhe perguntar. Mas o gajo continuou a dar-me cacetadas e já outros bófias se aproximavam de casse-tête na mão. Não ia ficar para ali, especado, feito bombo da festa. Uma raiva surda trepava-me à cabeça. Ah, que raiva! Quando dou conta, mandava-lhe uma joelhada aos tomates. Senti-os a espalmar de encontro ao joelho. Já os outros bófias descarregavam sobre mim os seus casse-têtes virados ao contrário. Senti uma dor de vertigem quando um me acertou na cara. Percebi que a carne se rasgava e que um esguicho de sangue me inundava os olhos. Já me acertavam por todos os lados. Mas não interessava. Já nada interessava.

Sede de sangue!
Sede de sangue!
Sede de sangue!
Sede de sangue!

Já nada interessava. A não ser aquele bófia agarrado aos tomates. Num último esforço disparo-lhe um pontapé à cara. Assim, de baixo para cima - pás! Senti a biqueira da bota entrar-lhe pelas fuças dentro. Os ossos a quebrar. Os dentes a saltar numa baba de cuspe e sangue. Senti o olho a esborrachar-se sob a biqueira da bota. Os outros bófias continuavam a descarregar sobre mim os seus casse-têtes virados ao contrário. Mas eu já nada via. Só sangue. Dor. Senti-me dobrar. Cair. Aaaaaaaaaahhh!...

ANARQUISTA DUVAL
[Adolfo Luxúria Canibal / Carlos Fortes - Zé dos Eclipses]


Pela estrada fora vinha um homem
Encoberto pelas sombras da noite
Alguém lhe perguntou o nome
«Sou uma miragem, Dizem que semeio o caos e a destruição
Como o vento semeia as papoilas
O meu nome é... Liberdade»

Vinha pela estrada fora a Liberdade
Encoberta pela noite das sombras
«Sabes quem eu sou?» perguntou ao candeeiro
«És uma miragem
E pertences ao livro dos sublinhados provocadores
Que são os poetas
Almas sonhadoras»

«Anarquista Duval:
Prendo-te em nome da lei!»
«E eu suprimo-te em nome da Liberdade!!»

Sublinhados provocadores iam pela estrada fora
Carregando o livro das sombras
Da noite só restava o candeeiro
Encoberto

CHARLES MANSON
[Adolfo Luxúria Canibal / Carlos Fortes - Zé dos Eclipses]


Tiannamen e o massacre de Pequim,
Pablo Escobar e o cartel de Medellin
Mais a queda do muro de Berlim
E a guerra do Saddam Hussein
Ou a disputa Gorbie - Ieltsin...

Não estava lá!
Não estava lá!
Não, não estava lá!

Na Primavera não estava em Praga.
No 25 de Abril estava em Braga,
Demasiado entretido a crescer
Para dar conta do que estava a acontecer.
Do que estava a acontecer.

Mas ouvi dizer que
Quando o Charles Manson sair da prisão
É que vai ser.
Parem o relógio!
Vamos todos para a revolução
Fazer a festa de cocktail na mão!
Parem o relógio!
Vamos todos aparecer na televisão
De Cocktail na mão!


QUERO MORDER-TE AS MÃOS
[Adolfo Luxúria Canibal / Carlos Fortes]


Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...

O teu sexo pelado
Faz de mim um escravo
Animal desvairado
Ansiando o teu travo...

Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...

Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...

Quero-te a urina na boca
Dilacerar-te a valer
Até ficares c'a voz rouca
Quero matar e morrer!

Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...

Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...
Quero morder-te as mãos!...

O DIVINO MARQUÊS
[Adolfo Luxúria Canibal / Mão Morta]


Era uma vez, há muitos, muitos anos, um velho Marquês, a quem os seus pares chamavam divino, o Divino Marquês. Ora este Marquês, apesar de conhecido em todo reino pela violência com que afrontava a tirania moral do seu tempo, passeando um dia por Braga «a idólatra, o seu esplendor», ficou hospedado em casa da Sra. de Noronha e Vaz, uma burguesa beata e alcoviteira, mas para quem um Marquês, por mal afamado que fosse, oh oh... era sempre um Marquês!
A Sra. de Noronha e Vaz tinha uma filha, bela e prendada donzela na candura das suas dezoito primaveras, entregue aos cuidados espirituais da madre superiora do Convento das Carmelitas, a quem confiara uma educação casta e temente a Deus. No entanto, iludindo a confiança em si depositada, a madre superiora, iniciada ainda noviça nos prazeres da carne pelo Divino Marquês, há muito que vinha incutindo em Clotilde, assim se chamava a menina de Noronha e Vaz, os desejos mais desbragados. Foi pois sem surpresa, e até com bastante satisfação, que quando correu a notícia da presença do Divino na cidade, acolheu as súplicas da sua educanda para que tão nobre personagem lhe fosse apresentado. Ciente de que tal não desagradaria ao Marquês e orgulhosa dos ensinamentos ministrados a Clotilde, a madre superiora tratou de, sem mais delongas, lhes aprontar um encontro.
Entretanto, a Sra. de Noronha e Vaz, jubilante por albergar em seus domínios tão ilustre membro da aristocracia, iniciara preparativos para uma grande festa em sua honra que, a pretexto de o apresentar à sociedade bracarense, se revelava a ocasião propícia para ela própria se mostrar influente e bem relacionada. E ademais, não menosprezando a fama que sempre o acompanhava, o evento até podia proporcionar excelentes deixas à sua carente alcovitice. Foi pois assim, envolta nestes pensamentos e disposta a nada perder, que, chegado o dia da grande festa, se armou de todos os cuidados para discretamente, enquanto simulava instruções a dar aos criados, observar o galante Marquês e a forma despudorada como as convidadas, das mais insuspeitas, descobriam em qualquer futilidade motivo para dele se aproximarem e entabularem conversa.
Como as horas fossem passando e do comportamento dos presentes não emanasse alteração significativa, a Sra. de Noronha e Vaz, desalentada com um enredo tão pouco substancial, deixou-se tomar por intensa modorra, o que levou os convivas a despedirem-se e o Marquês a recolher aos seus aposentos. Alarmada com o que provocara, achou por bem apresentar imediatas desculpas do sucedido ao seu hóspede e, com esse fito, dirigiu-se apressadamente à ala norte do palácio, onde o aposentara por ser a mais afastada das serventias e a que melhor preservava a integridade das suas libações nocturnas. Qual não foi, porém, o seu espanto, quando chegada à antecâmara do Marquês, que julgava só, lhe pareceu ouvir o que juraria serem vozes femininas. Disposta a esclarecer a singular ocorrência, aproximou-se cautelosamente da porta e, juntando um olho ao orifício da fechadura, espreitou para o interior do quarto, não conseguindo abafar, quase de seguida, um grito de espanto. É que esparramada no leito do Divino, quase irreconhecível sem o costumeiro hábito a compor-lhe a silhueta, entreviu a madre superiora, entregue a práticas muito pouco consentâneas com a sua condição de amparo espiritual da cristandade.
- Quem vem lá? - perguntou a inocente voz de Clotilde. A Sra. de Noronha e Vaz, ainda mal refeita do que acabara de observar, ao ouvir a voz da sua amantíssima filha, teve um estremecimento e, lívida de desespero, tombou para dentro do quarto.
- Olha, olha: é a senhora minha mãe! - exclamou, jocosa, Clotilde - Vem certamente juntar-se a nós e connosco partilhar as terrenas delícias que de si tão arredadas têm andado - acrescentou, preversa, para os seus companheiros de alcova.
- Clotilde! Minha filha! Não posso crer no que os olhos me mostram! - murmurou, em estado de choque, a Sra. de Noronha e Vaz - Dizei-me, dizei-me que não é verdade! Que tudo não passa de um mal entendido, de uma torpe ilusão do mafarrico!
- Senhora minha mãe: pretendeis negar a realidade, como aliás sempre negásteis a vida, mas não o consentirei. Olhai! Olhai bem o que faço com este belo sexo que tanto gozo me dá! Vêde! Vêde bem, para que estas imagens jamais vos abandonem a retina! - atalhou desafiadoramente Clotilde. E, dizendo isto, sentou-se sobre o Marquês que a esperava de mastro garbosamente desfraldado.
- Não, não é verdade! Não reconheço em vós a minha Clotilde, que tão castamente eduquei, balbuciou em pranto a Sra. de Noronha e Vaz e, virando-se para a madre superiora - É a vós! É a vós que eu devo esta afronta de ver a minha inocente filha transformada na viciosa mais ordinária! Mas vós... vós haveis de ma pagar!
- Senhora minha mãe! - interveio, do seu poleiro, Clotilde. Estou a ver que aqui viésteis para nos tentar causar aflição. Sabei, no entanto, que não o conseguireis. E de castigo, pela ameaça que acabais de proferir, irei em vós executar aquilo que, há momentos, o Divino me contou: vou cozer-vos o sexo!
- Não, não... que horror! Não é possível! Gerei um monstro! Um monstro! A minha própria filha! - gritou, em pânico, a Sra. de Noronha e Vaz.
- Agarrem-na! - ordenou Clotilde.